ASSERJUF conta com uma nova profissional no Espaço Terapêutico

O FalaJuf entrevistou a Psicóloga Doris Fernandes (CRP 03/5443), Pós-graduada em Psicopatologia Clínica e Psicoterapeuta Trainee em Biossíntese que prestará atendimento no Espaço Terapêutico da ASSERJUF e nos contou sobre seus objetivos, suas experiências profissionais e os desafios, além de nos contar sobre os desafios e esperanças da profissão.

A entrevista na íntegra estará disponível na próxima edição do FalaJuf (761).

FalaJuf: Por que escolheu a Psicologia?

Psic. Doris: Eu diria que a Psicologia me escolheu… Na verdade, desde os 06 anos de idade já dizia que queria ser Psicóloga. Isto sem conhecer nenhum profissional desta área, ou ter algum parente que tivesse abraçado esta profissão. Mas como a vida escreve certo por linhas tortas, fiz outros dois cursos de nível superior na UnB, em Brasília, que na verdade me propiciaram uma excelente formação, antes de finalmente chegar a Psicologia. Isto fez com que eu aproveitasse o estudo da alma humana, com maturidade e um grau de vivência, imprescindíveis a formação.

FalaJuf: Qual o seu objetivo como Psicologia?

Psic. Doris: Óbvio que esta profissão nos coloca como profissionais de saúde, apesar de ter se originado da área de humanas, da filosofia.

Neste sentido, meu objetivo está vinculado a proporcionar saúde física e mental aos pacientes, por entender uma continuidade entre o psíquico e o somático. Tudo isto está relacionado ao bem estar da pessoa, o que obviamente trata-se de um conceito único e intransferível. Não há receitinha de bolo, na Psicologia levada a sério.

FalaJuf: Como é feito o acompanhamento às pessoas atendidas?

Psic. Doris: Inicialmente temos um encontro inicial, onde realizo uma anamnese, que é uma entrevista realizada pelo profissional de saúde, com intenção de funcionar como coleta de dados, uma espécie de rememoração e registro da queixa trazida pelo paciente.

Em comum acordo decidimos a quantidade de sessões por semana, e os critérios de atendimento como frequência e honorários, bem como a necessidade ou não de acompanhamento psiquiátrico, concomitante a psicoterapia.

FalaJuf: Quais são os seus maiores desafios ao trabalhar nesta área?

Psic. Doris: A psicologia é atravessada por diversas outras áreas que atuam sobre o sujeito, que não são só sua história de vida e suas relações parentais. O estilo e o ritmo de vida, a modalidade da organização de trabalho e suas interações, hábitos desenvolvidos, genética, epigenética, vida afetiva, redes de apoio, crenças construtivas e destrutivas…

Enfim, são muitos os fatores a serem considerados, o que faz da Psicologia um eterno desafio para os profissionais envolvidos, ainda mais em tempos desafiadores e de mudança de paradigmas como este em que estamos vivendo.

A necessidade de estudo é perene, bem como a necessidade de supervisão e feedbacks de outros profissionais psicólogos. Um psicólogo sem estes atributos acaba caindo no lugar comum da “autoajuda”, tão em voga ultimamente, que ajuda “pero no mucho”, ou seja, não consegue ver para além da queixa inicial do paciente.

É, sem sombra de dúvida, uma profissão muito desafiadora e delicada, por tratar de sofrimentos humanos, do imponderável de cada um.

É preciso muita delicadeza.

Agende: 71 3617-9272